Cinema

Crítica | O Lutador

Crítica | O Lutador

Sinopse

Randy “The Ram” Robinson (Mickey Rourke) é um bem-sucedido atleta de luta livre nos anos 80, que é impedido de se apresentar depois de sofrer um ataque cardíaco. Assim, ele consegue um emprego em um restaurante, enamora-se de uma stripper e tenta se aproximar da filha. Mas será que ele vai conseguir fugir de seu destino?

Crítica

Pouco cérebro, músculos e um grande coração“. Foi assim, que o Rocky de John G Avidsen, elevou a carreira de Sylvestre Stalone – e três décadas depois “O Lutador” Dirigido pelo talentoso  Darren Aronofsky (Cisne Negro) e estrelado Mickey Rourke, repetiu  o mesmo efeito.

Mickey Rourke interpreta Randy ‘The Ram’ Robinson, uma antiga estrela de Luta livre (conhecido como “wrestling” Nos EUA aonde dois, ou mais, lutadores fantasiados executam coreografias violentas dentro de um ringue, em lutas de extrema violência, e combinadas) que atingiu o seu auge profissional nos anos 80 e que agora trabalha como carregador de mercadorias em um supermercado local; e aos finais de semana ele continua finalizando as noites de Luta Livre em ringues “alternativos”. Mesmo não sendo o astro de antigamente, ele mantém-se como ídolo de várias gerações, distribuindo autógrafos para fãs que passaram dos 40 na mesma medida que os distribui para crianças.

Após sofrer um ataque cardíaco, Randy recebe um ultimato: ou pára de lutar, ou morre. Por uma melhor perspectiva de vida, e par fugir da solidão “The Ram’ tenta um relacionamento com a stripper Cassidy (Marisa Tomei em ótima atuação e aos 44 anos esbanja Curvas de tirar fôlego) ao mesmo tempo em que procura se reaproximar da filha Stephanie (Evan Rachel Wood)

Utilizando a câmera na mão em estilo semi-documentário Aronofsky capricha tanto nas cenas de lutas (principalmente no segundo confronto, onde a violência no estilo “freak show” beira ao bizarro) quanto nos belos diálogos escritos por roteirista Robert D. Siegel . Toda a narrativa é feita com a câmera na mão do diretor, que segue seus personagens (em ângulos filmados de trás) em um plano de “proximidade”. Não faltam closes na hora dos diálogos mais importantes  e nem na hora de mostrar a autodestruição dos personagens.

É difícil não comparar o filme com a própria biografia do ator, afinal no auge nos anos 80, ele resolveu se dedicar ao boxe profissional , e desde lá , foi fazendo papeis pequenos em filmes pequenos. Em 2005 ressurgiu das cinzas para participar filme “Sin City”, a adaptação de uma história em quadrinhos de Frank Miller, aonde encarnou o papel de Marv e  com seu rosto completamente desfigurado  (decorrente as cirurgias plásticas)  o personagem caiu como uma luva (com perdão o trocadilho)  para  Rourke. Mas só agora em uma atuação poderosa  e premiada, aonde suas emoções  são guiadas pelos os olhos,  Mickey Rourke  pôde colocar pra sempre o seu nome na história do cinema.

Pôster

Ficha técnica

  • Título original: The Wrestler
  • Gênero: Drama
  • Direção: Darren Aronofsky
  • Roteiro: Robert D. Siegel
  • Produção: Darren Aronofsky, Scott Franklin
  • Fotografia: Maryse Alberti
  • Trilha Sonora: Clint Mansell
  • Duração: 109 min.
  • Ano: 2008
  • País: Estados Unidos / França
  • Cor: Colorido
  • Estreia: 13/02/2009 (Brasil)
  • Estúdio: Protozoa Pictures / Saturn Films / Top Rope / Wild Bunch
  • Classificação: 14 anos

Avaliação

Galeria de Fotos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Trailer

Comentários
Topo