Cinema

Crítica | Nine

Ficha do Filme | Nine

Sinopse

Na trama de Nine, o diretor cinematográfico Guido Contini passa por uma crise em sua vida pessoal e profissional. Ao mesmo tempo, ele precisa balancear as inúmeras exigências das mulheres em sua vida, que inclui esposa, amante e sua confidente.

Crítica

Contando com sete belas e talentosíssimas atrizes, uma fotografia fenomenal, números musicais que nos levam ao êxtase e claro, Daniel Day-Lewis, o diretor Rob Marshall, mostra que sabe a fórmula exata para o sucesso. Mais uma vez, como já nos havia sido demonstrado com os seis Oscars de ‘Chicago’, entregar um show da Broadway nas mãos desse gênio é ter a certeza de uma obra envolvente, carismática e brilhante.

Na história do filme, acompanhamos no decorrer da década de 60 a perturbação de Guido Contini, diretor de renome mas cujos últimos trabalhos foram desastrosos. Guido está em queda, não consegue sair de uma crise criativa, não aguenta a pressão da imprensa, não tem meios de desenvolver o roteiro para a obra que deve começar a ser filmada em dias, e em meio à tudo isso, ainda está prestes a ruir com seu casamento devido à uma série de traições, e envolvido pelos relacionamentos com tantas belas mulheres e os fantasmas de seu passado, o mesmo não consegue enxergar uma solução para tudo isso, quase nos levando, com ele, à loucura!

Mas assim como “Nine”, peça premiada com o Tony, que chegou à Broadway na década de 80, o filme é uma adaptação de “Oito e meio”, o clássico autobiográfico de Frederico Fellini, em que o diretor narra sua própria crise existencial e criativa através do conturbado cineasta Guido. Na versão cinematográfica, este foi primeiramente encarnado por Marcello Mastroianni, e hoje Day-Lewis é a personificação dos dois grandes mitos da história cinematográfica. Com charme e carisma, ele faz seu Guido Contini um homem apaixonado e apaixonante, um personagem que nos envolve, enchendo a tela com sua beleza singular. Entre as mulheres, a única com papel certo era a lenda Sophia Loren, que ao entrar em cena causa frisson até nos mais leigos cinéfilos, mas todas as outras mostraram-se mais que certas ao tornarem-se as escolhas do diretor, visto que absorvem seus personagens e os caracterizam de forma excepcional.

O destaque continua sendo Marion Cotillard, que mesclando em sua Luisa, a ‘abandonada’ e reclusa esposa do diretor, uma mulher fragilizada mas decidida, rouba à cena entre tantas outras maravilhosas atrizes como Nicole Kidman, a apaixonada e perspicaz musa de Guido, e Penélope Cruz, que no filme, não apresentando a sensualidade que somente Almodóvar consegue extrair, mantém seu brilho ao interpretar a amante necessitada de Contini. Judi Dench, no papel de amiga e figurinista do cineasta, nos cede sempre uma atuação recheada de excelência, e Kate Hudson e Fergie, as únicas do elenco principal à ainda não conquistarem o Oscar, apresentam dois dos melhores números musicais: ‘Cinema Italiano’, no qual é impossível não se deixar contagiar pela beleza estonteante, coreografia magistral e alto astral da loiríssima, e ‘Be Italian’, que comprova que com uma pitada de sensualidade, areia e a luz certa, consegue-se fazer de uma cena o trunfo.Porém, pode ser aqui que se encontra o pecado desta obra. Mesmo com a sutileza de incluir os números musicais sem interrupção das cenas e enredo, por vezes, a narrativa e a forma de filmar de Marshall tornam-se confusas, prejudicando uma história que tinha tudo para triunfar.

Algumas das cenas são exibidas com uma velocidade impressionante e não deixam as personagens evoluirem ou a história assentar, fica dificil para o espectador assimilar, e este pode ser um dos motivos pelos quais a crítica americana devastou a produção, embora com certo exagero.

Afinal, com seus altos e baixos, ‘Nine’ surgiu com o propósito de relembrar o classicismo do gênero musical. Por seu gênero, musical, e sua intenção de homenagear o cinema com cinema, agradará a muitos e será detestado por alguns, um típico caso de amor e ódio: quem se deixar levar e gostar, vai amar; quem não, odiará com todo fervor.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Trailer | Nine

Curiosidades

  • A versão original da Broadway estreou em 9 de maio de 1982, com Raul Julia interpretando Guido Contini. Foram 729 apresentações e cinco prêmios Tony ganhos.
  • A última versão exibida na Broadway estreou em 10 de abril de 2003 e foi estrelada por Antonio Banderas. Foram 283 apresentações e dois prêmios Tony.
  • A pré-produção de Nine teve que ser adiada devido à greve de roteiristas de 2007/2008.
  • Antonio Banderas recusou a oferta de interpretar Guido Contini no cinema. O ator Javier Bardem esteve cotado para interpretar Contini, mas o ator desistiu do papel para ter um ano sabático. George Clooney e Johnny Depp também estiveram cotados para o papel.
  • Após a desistência de Catherine Zeta-Jones, as atrizes Amy Adams, Gwyneth Paltrow e Anne Hathaway estiveram cotadas para a personagem Claudia Jenssen. Demi Moore e Juliette Binoche chegaram a fazer testes para a personagem, mas o papel ficou com Nicole Kidman.
  • Anne Hathaway e Sienna Miller fizeram audições para a personagem Stephanie Necrophuros. O papel ficou com Kate Hudson.
  • Katie Holmes fez um teste para a personagem Luisa Contini, mas foi preterida por Marion Cotillard.
  • Renée Zellweger era a primeira escolha para a personagem Carla. Após diversos testes, Penélope Cruz foi escolhida para o papel.
  • O elenco de Nine conta com seis vencedores do Oscar: Nicole Kidman (As Horas), Daniel Day-Lewis (Meu Pé Esquerdo e Sangue Negro), Penélope Cruz (Vicky Cristina Barcelona), Judi Dench (Shakespeare Apaixonado), Marion Cotillard (Piaf – Um Elogio ao Amor) e Sophia Loren (Duas Mulheres). Além deles, Kate Hudson foi indicada por Quase Famosos.
  • Daniel Day-Lewis aprendeu italiano para o filme.
  • Este é apenas o 2º musical da carreira de Sophia Loren. O anterior foi O Homem de La Mancha (1972).
  • Nicole Kidman iniciou as filmagens apenas quatro semanas após dar a luz à sua filha.
  • As filmagens ocorreram entre 10 de outubro de 2008 e 30 de janeiro de 2009.
  • A canção “Nine”, de mesmo título do filme, foi retirada na versão final.
  • Inicialmente seria lançado nos cinemas dos Estados Unidos em 2 de novembro de 2009, tendo sido adiado para 18 de dezembro.

Premiações

Oscar – 2010

  • Indicações
    Melhor Atriz Coadjuvante – Penélope Cruz
    Melhor Direção de Arte
    Melhor Figurino
    Melhor Canção Original – “Take It All”

GLOBO DE OURO – 2010

  • Indicações
    Melhor Filme – Comédia/Musical
    Melhor Ator – Comédia/Musical – Daniel Day-Lewis
    Melhor Atriz – Comédia/Musical – Marion Cotillard
    Melhor Atriz Coadjuvante – Penélope Cruz
    Melhor Canção Original – “Cinema Italiano”

BAFTA – 2010

  • Indicação
    Melhor Maquiagem

Ficha Técnica

  • Título original: Nine
  • Nacionalidade: EUA
  • Gênero: Comédia Musical
  • Ano de produção: 2009
  • Estréia: 29 de janeiro de 2010 (Brasil)
  • Duração: 1h 58 minutos
  • Classificação: 14 anos
  • Direção: Rob Marshall
  • Roteiro: Michael Tolkin, Anthony Minghella. Baseado no musical Broadway, escrito por Arthur Kopit, Maury Yeston e Mario Fratti
  • Produção: Rob Marshall, Harvey Weinstein, Bob Weinstein, Kelly Carmichael, John DeLuca, Michael Dreyer, Paul Edwards, Federico Foti, Gina Gardini, Jodi Hurwitz, Ryan Kavanaugh, Arthur Kopit, Marc Platt, Tucker Tooley, Maury Yeston, Michael Zimmer, Michael Cole
  • Trilha sonora: Andrea Guerra
  • Direção de fotografia: Dion Beebe
  • Edição: Claire Simpson, Wyatt Smith
  • Design de produção: John Myhre
  • Direção de arte: Phil Harvey, Simon Lamont, Tomas Voth
  • Decoração de set: Gordon Sim
  • Figurino: Colleen Atwood
  • Estúdios: The Weinstein Company, Relativity Media, Marc Platt Productions, Lucamar Productions, Jac Film and Television, Guido Contini Films
  • Distribuição: Sony Pictures

Pôster

Veja também

2 comentários

Participe da discução

Topo