Cinema

O Dia em que Dorival Encarou a Guarda

A nostalgia tomou conta de mim, a prova disso é que acabei de assistir ao “O Dia em que Dorival Encarou a Guarda,” o segundo curta-metragem dirigido pelo roteirista e diretor gaúcho Jorge Furtado . O curta-metragem funciona como adaptação do oitavo episódio do livro “O Amor de Pedro por João“, de Tabajara Ruas e acompanha o detento Dorival, que tenta convencer os guardas a permitir que ele tome um banho. Mas o preso esbarra na negativa dos guardas, embora estes não consigam justificar para Dorival a razão que o impede de tomar o banho.

Com 14 minutos de duração, este clássico do cinema nacional não envelhece. Denúncia alguns problemas ainda existentes em pleno seculo XXI, como; racismo, burocracia e a repressão carcerária. Sem contar a linguagem usada e preservada pelo cinema nacional até hoje.

De forma brilhante Jorge furtado faz referencia da cultura pop da época, desde Tex Willer á Casablanca. O curta beira ao realismo e fantasia, com uma ótima edição, um elenco entrosado e uma trilha sonora marcante.

Quem ainda não assistiu, assista, vale cade minuto.

Parte 1

Parte 2

Direção: Jorge Furtado e José Pedro Goulart
Roteiro: Giba Assis Brasil, José Pedro Goulart, Jorge Furtado e Ana Luiza Azevedo
Direção de Fotografia: Christian Lesage
Direção de Arte: Fiapo Barth
Música: Augusto Licks
Direção de Produção: Gisele Hiltl e Henrique de Freitas Lima
Montagem: Giba Assis Brasil
Assistente de Direção: Ana Luiza Azevedo
Elenco: João Acaiabe (Dorival), Pedro Santos (Soldado), Zé Adão Barbosa (Cabo), Sirmar Antunes (Sargento), Lui Strassburger (Tenente)

Comentários
Topo