Cinema

Crítica | Carros 2

Crítica | Carros 2

Crítica

Em 2006 a idolatrada união Disney/Pixar presenteou espectadores do mundo todo com a realização da fantástica idéia da personificação de automóveis através do ótimo “Carros” . Encantador, com um elenco renomado encarregado da dublagem das personagens (no áudio original, em língua inglesa) e um enredo de fundo moral compreensível às crianças, a produção estreou conquistando o mundo inteiro.


Frente à isso, é uma desagradável surpresa deparar-se com a ineficácia em manter o “padrão de qualidade” apresentada em sua continuação, falha em todos os aspectos inovadores do filme antecessor.

Somos “reapresentados” à McQueen e seus amigos aproximadamente 4 anos após a última aventura. Relâmpago é agora um campeão das Copas Pistão e conta com quase todos os moradores de Radiator Springs em sua equipe de apoio nas corridas, à qual integra seu amigo Mate quando convidado à participar de uma série de disputas em prol à utilização de um novo combustível biodegradável. Porém durante os eventos anteriores à primeira corrida, Mate é confundido pela inteligência britânica eum grupo de “Tranqueiras” malfeitores com um agente americano, o que resulta posteriormente na perda da primeira corrida por McQueen, sua expulsão da equipe de apoio e envolvimento “acidental” na equipe de espiões – tudo isso sem o atrapalhado guincho ter a real percepção da confusão na qual se envolveu. Praticamente um ‘remake’ de “Austin Powers” ou “Johnny English” em quatro rodas.

Abusando da utilização de típicos clichês Hollywoodianos sobre espionagem, “Carros 2” surge como uma obra oportunista, baseada em fórmulas. É condenável a falta de criatividade no núcleo central da trama, e não bastasse a utilização de uma história comum e batida em seu desenvolvimento, mesmo os artifícios tecnológicos – facilmente extraídos da franquia de “James Bond ‘- são utilizados em ambientes confortáveis, extremamente mal – explorados, que poderiam apresentar maior versatilidade e ousadia justamente por tratar-se de uma animação, em um universo onde há possibilidade de tornar quase tudo crível! E devemos ainda mencionar os estereótipos marcados na caracterização de boa parte dos vilões, como oriundos da Europa Oriental.

Agora, em momentos isolados, encontramos agradáveis lembranças da genialidade Pixar avulsa neste filme: apresentações caricatas como o competidor italiano ‘Francesco’, uma Ferrari; as menções divertidas à realidade dos dublês (“Mais feliz que carro de dublê capotando!”) e das famílias italianas; e os pequenos, embora admiráveis, detalhes como o retorno da pintura original de lataria de Relâmpago e a placa traseira de Professor Zundapp, formando a palavra “BAD”.

Tecnicamente o tratamento da imagem, como fotografia e paleta de cores, a qualidade Disney continua inquestionável: o visual do filme é extremamente detalhado e fabulosamente trabalhado, de forma à sequer ser prejudicado pela escuridão dos óculos 3D. Com destaque aos tons neons no Japão, as cores quentes e aconchegantes na Itália, pastéis e cinzas em Paris e Londres, respectivamente, a reprodução dos principais monumentos e características das cidades demonstradas são dignos de vislumbre, geniais!

Em resumo, a nova produção é a típica continuação Disney que seria melhor aproveitada pelo público se fosse direcionada diretamente ao homevideo, pois não apresenta qualquer diferencial, não gera nenhuma motivação ou diversão eficaz no espectador. Encaixa-se facilmente na categoria “Digno de Esquecimento”: “KA-CIAO”!

Pôster

Sinopse

Relâmpago McQueen e seu amigo Mate estão de volta para viver mais aventuras ao redor do mundo. Eles querem ganhar o Grande Prix Mundial e, com isso, o título de carro mais rápido do mundo. Mas surpresas hilárias e até um caso de espionagem internacional se intrometem no percurso da dupla.

Ficha técnica

  Gênero: Animação
  Direção: Brad Lewis, John Lasseter
  Roteiro: Ben Queen, Brad Lewis, Dan Fogelman, John Lasseter
  Produção: Denise Ream
  Trilha Sonora: Michael Giacchino
  Duração: 106 min.
  Ano: 2011
  País: Estados Unidos
  Cor: Colorido
  Estreia: 23/06/2011 (Brasil)
  Distribuidora: Disney
  Estúdio: Pixar Animation Studios / Walt Disney Pictures
  Classificação: Livre

Avaliação

Vozes

Galeria de Fotos

Trailer

 

8 comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Topo